Modelo em software de abrigo meteorológico avançado

Diagramas, Imagens e explicações disponibilizado sob a licença Creative Commons - BY-SA.
Autores do trabalho: Ariel Medeiros, Eduardo Azeredo, Jeferson Gerard, Lorenzo Chaves, Taylor Fernandes e Renan Bohrer.

Desenhamos o abrigo visando a resolução do Desafio CTA., procurando uma resposta para os problemas da pesquisa Estações Meteorológicas Modulares.

Seguindo a definição de temperatura do ar dada pela Organização Meteorológica Mundial, "a temperatura medida por um termômetro exposto ao ar e protegido contra radiação solar direta"[1]. Sendo assim, necessitamos de um abrigo que proteja contra a chuva e da radiação solar emitida diretamente sobre os sensores. Devido a isso tivemos que desenvolver um abrigo que atenda as nossas necessidades, a partir do software Blender. O modelo aqui exibido foi baseado no modelo que podemos encontrar no livro: Meteorologia e Climatologia [2]

Este abrigo é o modelo ideal, porém é difícil de ser construído, por isso construímos um modelo alternativo (básico), de relativa facilidade na construção.
Modelo em software de abrigo meteorológico básico

Imagens


Corte lateral. Observamos as duas caixas e a distribuição de venezianas do abrigo. Com esta organização, prevenimos seguramente para a entrada de água. Ainda que a chuva passe pela primeira coluna de venezianas, será barrado pela segunda. Assim, mantemos a circulação de ar para dar fidelidade às medidas e mantemos os sensores seguros para exposição em local aberto.


Imagem frontal baixa do abrigo meteorológico. Por este ângulo analisamos o furo na parte inferior, para a colocação de sensores. Também é observado a disposição das venezianas.


Imagem frontal alta do abrigo meteorológico. Observamos a presença das venezianas e a parte superior lisa.


Imagem diagonal inferior do abrigo meteorológico. Temos clara visão das venezianas e do furo para a colocação de sensores.


Corte lateral. Observamos as duas caixas e a distribuição de venezianas do abrigo. Com esta organização, prevenimos seguramente para a entrada de água. Ainda que a chuva passe pela primeira coluna de venezianas, será barrado pela segunda. Assim, mantemos a circulação de ar para dar fidelidade às medidas e mantemos os sensores seguros para exposição em local aberto.


Corte pela metade em visão por baixo. Observamos a presença de duas caixas que compõe o abrigo, onde está a outra disposição de venezianas, as internas estão opostas as externas.


Imagem lateral do abrigo meteorológico. Deste ângulo, percebemos a continuidade das venezianas para além das paredes do abrigo, dando maior segurança para barrar a água.


Corte pela metade em visão por baixo. Observamos a presença de duas caixas que compõe o abrigo, onde está a outra disposição de venezianas, as internas estão opostas as externas.

Referências

[1] Organização Meteorológica Mundial. (2008) Guide to Meteorological Instruments and Methods Of Observation. WMO-8. Seventh edition. Chapter 2, Measurement of Temperature.

[2] METEOROLOGIA. E. CLIMATOLOGIA. Mário Adelmo Varejão–Silva. VERSÃO DIGITAL 2. Recife, Pernambuco. Brasil. Março de 2006 , pag 72

Link para imagens e modelos no Blender

venezianas_.png (172.2 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51

venezianas_3.png (206.7 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51

venezianas_4.png (150.4 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51

venezianas_2.png (166.5 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51

venezianas5.png (231.4 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51

foto_estaçao_cortada_frente.png (278.8 kB) Ariel Vilhalva Alves de Medeiros, 25/08/2014 16:51