Notícias

Suporte CTA: III Hackatona - CTA

Adicionado por Daniel Mega 9 meses atrás

No último final de semana, nos dias 17 e 18 de março ocorreu a III Hackatona - CTA, organizada pelo Centro de Tecnologia Acadêmica. O evento é a primeira atividade da campanha #InovaçãoUFRGS no IF/UFRGS e tem como objetivo a construção de um relógio que será instalado no anfiteatro Antônio Cabral, localizado no Instituto de Física da UFRGS. Os participantes da Hackatona tiveram a oportunidade de trabalhar de maneira colaborativa, isso possibilitou que pudessem ensinar e aprender através da interação com os demais participantes.

A III Hackatona - CTA foi concebida para ocorrer em duas etapas, nesta primeira parte foram 24 horas de trabalhos para projetar o relógio. Como não poderia deixar de ser, toda a proposta foi pensada a partir do uso de tecnologias livres e os 12 participantes desenvolveram de maneira colaborativa o projeto que será executado na segunda etapa da III Hackatona, serão mais 24 horas de muito trabalho e diversão nos dias 21 e 22 de abril.

As atividades da primeira etapa do evento começaram com uma "tempestade de ideias" todos os participantes expuseram, em post-its, quais atributos e funcionalidades deveriam estar presentes no relógio, a pergunta a ser respondida era: o que precisamos para fazer nosso relógio?

Sempre com a ideia de trabalho colaborativo, os participantes avaliaram quais propostas eram viáveis e as classificaram em categorias: design, funções online, controle, eletrônica, entre outras. Ao final as ideias foram reunidas em dois grandes grupos, design e programação e eletrônica.

Após uma pausa para o almoço os participantes partiram para por a mão na massa, realizaram os estudos sobre componentes necessários para a fabricação, desenharam ideias de design e discutiram como seria a programação do relógio. Essas atividades invadiram a madrugada em uma verdadeira maratona de estudos.

Os interessados podem consultar com maior detalhamento todas as atividades realizadas durante a III Hackatona aqui.

Segunda Etapa - Construção

Lembrando que ainda irá ocorrer a 2° etapa da III Hackatona - CTA, e você está convidado a participar desta maratona e fabricar o relógio para o anfiteatro Antonio Cabral junto conosco. O evento irá ocorrer nos dias 21 e 22 de abril.

Venha participar e aprender conceitos de design, eletrônica e programação de maneira colaborativa. Você também pode trazer uma grande contribuição para nossa iniciativa.

Suporte CTA: III Hackatona CTA

Adicionado por Renan Ritter Soares 9 meses atrás

III Hackatona CTA - Relógio IF/CTA

A Hackatona

A III Hackatona CTA tem o objetivo de reunir entusiastas de tecnologia para desenvolver e construir colaborativamente um relógio aberto e livre. Utilizando tecnologias livres, os participantes terão a experiência de projetar e documentar este projeto, que, como não poderia deixar de ser, será uma tecnologia livre - de cabo (software) a rabo (hardware). Serão dois encontros de 24 horas corridos que ocorrerão entre Março e Abril de 2018.

A III Hackatona CTA busca integrar pessoas com habilidades de eletrônica, programação e design para desenvolver uma solução em comum. Com trabalhos em grupos daremos asas a imaginação! Com recursos de tempo e orçamento limitado, os participantes terão que pensar em soluções criativas e inovadoras para o relógio. Ao final, os relógios mais maneiros serão escolhidos e finalizados!

O relógio, após concluído será então instalado no Anfiteatro Antônio Cabral no instituto de Física da UFRGS. Mostrando a todos o trabalho realizado durante a III Hackatona CTA. O projeto será todo documentado para ser reproduzido e evoluido por quem estiver interessado.

O que é uma Hackatona?

Hackatona é a versão brasileira da hackaton, uma Maratona de hackers. É o momento em que desenvolvedoras (es) de software, de hardware e outras(os) interessadas(os) se encontram para concretizar, de maneira colaborativa, um projeto.

O evento propõe que as(os) interessadas(os) concentrem suas atenções no projeto e, juntas(os), encontrem soluções para o desenvolvimento do projeto. Os desafios dessa Hackatona incluem desenvolvimento de software, utilização de sensores, desenho de peças de circuito, impressão 3D, confecção de placas de circuito impresso, eletrônica, design e muito mais.

Inscrição

As inscrições podem ser feitas preenchendo este formulário

Contribuição sugerida: R$ 15,00 por etapa para alimentação.

Quando e onde?

O evento será realizado em duas etapas de 24h cada!
  • Etapa I ocorrerá das 10h do dia 17/03 até às 10h do dia 18/03
  • Etapa II ocorrerá das 10h do dia 07/04 até às 10h do dia 08/04

Maiores informações sobre a programação se encontram na página do evento

Ambos dias acontecerão no CTA — sala L110, Instituto de Física da UFRGS, Av. Bento Gonçalves, 9500 (Campus do Vale). Porto Alegre (localização no OpenStreetMap).

TropOS: Lançamento TropOS 2.0

Adicionado por Renan Ritter Soares 11 meses atrás

Olá comunidade TropOS e CTA, com muita felicidade anuncio para vocês o lançamento do TropOS 2.0 beta, baseado no Debian 9(Stretch). Nesta nova versão temos grandes mudanças em relação ao TropOS 1.0, algumas destas são:

  • Feito baseado no Debian Stretch, com atualizações feitas e verificadas até o dia 24/01/2018;
  • Mudanças na identidade visual:
    • Nova imagem para o Grub com os logos do TropOS, CTA, IF e UFRGS;
    • Novos papéis de parede: Os papéis de parede que já se encontravam no site do CTA agora integrados no sistema com a opção de escolher diretamente com os outros que são padrão;
    • Novo menu: Com o Addon Arc Menu, temos agora o simbolo do CTA com a descrição TropOS, além de um menu rápido e fácil de utilizar;
  • A versão mais atualizada do programa Arduino IDE, fornecida no site oficial do mesmo, que já da suporte para placas mais novas como a Node MCU;

Está sendo chamada de versão beta pois não foi exaustivamente testada. Estou utilizando sem problemas e recomendo verificar atualizações ao utilizar;

Download da imagem: TropOS_2.0_amd64_Gnome3_7.6.img.gz

SHA512sum: Da imagem (.img)

c8e03206089c60603a362006bd79c608a661da337f601659e304d5eb4e4fa0fb0f9e892b04ec0af2456451886bc5a934e5bc8f9678ce8928efb259eac0e18458 TropOS_2.0_amd64_7.4Gb.img

SHA512sum: Da imagem compactada (.img.gz)

6d6a1ac340cd4b48815b644204ae9ae78045c36debe3d550228ae120214d78168043b57aca96bf24f4c9c644d4092869b3c1fa32fe903a97f1f20f277ef54d92 TropOS_2.0_amd64_7.4Gb.img.gz

Instruções para criar o pendrive na página: Criando o pendrive do TropOS

Por enquanto está disponível para arquitetura amd64 (64 bits), a versão 32 bits será disponibilizada no futuro;

Outras versões como MetComp e CAE serão também criadas no futuro baseadas no TropOS 2.0. Para saber destas e outras novidades, se inscreva na Lista de discussão por email do TropOS - [TropOS-l]

Suporte CTA: Lançando uma revolução no acesso às ferramentas científicas

Adicionado por Rafael Pezzi 11 meses atrás

Uma comunidade global envolvendo mais de 30 países clama pelo acesso livre ao hardware científico

Mais de 100 cientistas, engenheiros, educadores, empreendedores e agentes comunitários de 30 países publicaram um relatório que descreve os passos necessários para facilitar o acesso ao hardware utilizado para fins científicos até 2025 com base em design aberto, desenvolvimento colaborativo e novas técnicas de fabricação.

O grupo, que se reuniu no CERN, em Genebra, e na Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago em 2017, argumenta que muito poucas pessoas tem acesso às ferramentas necessárias para a prática científica, particularmente os pesquisadores em países em desenvolvimento e grupos comunitários que necessitam coletar e analisar dados sobre o seu ambiente. De microscópios à microfluidos e estações de monitoramento de água, eles fazem parte de um movimento crescente de compartilhamento online de projetos abertos os quais qualquer pessoa pode livremente utilizar, modificar e até mesmo comercializar. O grupo responsável por este documento sugere que este enfoque pode reduzir drasticamente os custos de pesquisa ao permitir maior colaboração e formas de aprender de novas maneiras. "Nosso projeto," afirma um dos autores Dr Luis Felipe R. Murillo do Instituto Ciência, Inovação e Sociedade da França, "é sustentado pelo objetivo compartilhado de criar conhecimento comum através da participação pública direta em ciência e tecnologia. Não se trata de uma crítica apartada, mas de uma forma de engajamento prático".

Os autores e as autoras do Global Science Hardware Roadmap descrevem os passos que acreditam serem necessários para ajudar a esta comunidade avançar, incluindo maior apoio institucional das universidades e centros de pesquisa, fontes de financiamento e governos que preferem os inventores apliquem patentes sobre suas invenções de hardware. A Dr. Max Liborion, colaboradora do documento, relata em um artigo acadêmico recente as suas tentativas de assegurar que o seu dispositivo de baixo custo para amostragem de contaminação por micro-plásticos seja livremente acessível para as comunidades indígenas do Noroeste do Canadá com as quais trabalha. Muitos outros também defendem que o livre compartilhamento é compatível com a venda de produtos e pode, de fato, criar novas oportunidades para empreendedores. Jorge Appiah, um engenheiro e inovador que fundou o makerspace Kumasi Hive em Ghana, acredita que o livre compartilhamento reduz os custos do empreendedorismo no contexto Africano e viabiliza “a rápida escala de soluções de impacto com a localização das inovações, suas aplicações e avanços incrementais”. Esta abordagem é adotada por mais de quinze startups que estão produzindo hardware aberto e livre para ciência.

O relatório também defende a necessidade de assegurar o controle de qualidade e o cumprimento de padrões, particularmente importante para garantir a reprodutibilidade da pesquisa científica, uma preocupação crescente nos últimos anos. Licenciamento, documentação de alta qualidade e aspectos sociais e éticos da prática científica também são abordados. “As ferramentas científicas não são peças de tecnologia esotéricas e entediantes que não possuem conexão com a nossa vida cotidiana. Quem as utiliza, como elas são utilizadas e os resultados obtidos podem afetar no desenvolvimento de novos medicamentos, respostas à desastres ambientais e para educar a próxima geração de cientistas e tecnologistas: precisamos adotar uma perspectiva mais ampla" afirma Dr. Jenny Molloy da Universidade de Cambridge.

As comunidades que usam e desenvolvem hardware aberto são mais amplas do que se acredita. O documento apresenta projetos acadêmicos tais como "White Rabbit", uma tecnologia aberta desenvolvida no CERN que tem o trabalho difícil de assegurar precisão de sub nanosegundo nas transferências de dados do acelerador de partículas, LHC e o OpenFlexure Scope, um microscópio criado por impressão 3D que usa uma câmera de baixo custo com Raspberry PI e que recentemente recebeu o "Grand Challenges Research Fund" do Governo do Reino Unido.

Hardware científico aberto é também utilizado pela população em projetos de ciência comunitária: Rede InfoAmazonia é um projeto que trabalha com uma rede de comunidades brasileiras para construir sensores de qualidade de água e enviar alertas de contaminação via SMS, enquanto projetos como EnviroMap e UTBiome mapeiam ecologia microbiana e dados ambientais com comunidades locais em Austin, Texas. Public Lab, uma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos, reuniu cidadãos para mapear o derramamento de óleo no golfo do México (também conhecido pelo nome em Inglês: "Deep Horizon Oil Spill") em 2010 e continua a trabalhar ao redor do mundo com comunidades locais que sofrem com contaminação industrial usando kits de baixo custo e livre acesso que são aprimorados por voluntários.

Existem esforços para disseminar os benefícios de hardware aberto e livre globalmente. O Centro de Tecnologia Acadêmica do Instituto de Física da UFRGS, por examplo, explora o potencial de Hardware Científico Aberto em atividades de extensão assim como para educação de engenheiros e em ciências. Rafael Pezzi, coordenador do CTA e co-autor do documento, enfatiza que existe um grande potencial para ser explorado no Hardware Científico Aberto desde o ensino médio até o universitário: "pode ser visto como uma plataforma de atividades práticas e colaborativas para alunos de engenharia". O projeto TReND África tem conduzido oficinas para pesquisadores africanos sobre como construir suas próprias impressoras 3D e seus próprios equipamentos de laboratório por uma fração de até 1% do custo das alternativas comerciais, garantindo controle sobre os instrumentos e os desenhos de pesquisa. A atividade no continente Africano aumentará substancialmente com o primeiro Africa Open Science and Hardware Summit que irá ocorrer em Ghana em 2018. Hardware para ciência aberta é uma ferramenta poderosa para reduzir o hiato entre teoria e prática no ensino médio Africano, mas devemos tomar cuidado com o neocolonialismo gerado pela tecnologia” pondera o co-organizador do evento e autor do documento Thomas Herve Mboa Nkoudou, que é o presidente da Associação para a Promoção de Ciência Aberta no Haiti e África (APSOHA - Association for the Promotion of Open Science in Haiti and Africa).

Ao lançar este chamado em busca de apoio, o grupo planeja continuar a seguir os seus planos de ampliar sua comunidade e o alcance e distribuição de hardware aberto através do Encontro Hardware Científico Aberto (GOSH) em 2018 em Shenzhen, China, declarada como "cidade criativa" de acordo com a UNESCO e que tem sido descrita como o "Silicon Valley" do hardware.

Nota para editores:

Para mais informações contate Shannon Dosemagen, Luis Felipe Murillo, Jenny Molloy e Rafael Peretti Pezzi através do email: roadmap (arroba) openhardware.science

Suporte CTA: Arrasamos em 2017!

Adicionado por Marina de Freitas aproximadamente 1 ano atrás

UFA! O ano está quase acabando e parece que ainda não saímos do inverno! Vai nevar no Natal! É o progresso!!

Este foi um ano de muitas conquistas para a comunidade do CTA, além das clássicas oficinas de Arduino, participamos de eventos globais sobre hardware aberto na ciência, ganhamos prêmios, e fizemos boas parcerias!
As nossas conquistas são frutos de uma ativa comunidade que não tem medo de suar a camisa junto! Todes no trabalho por uma Ciência Aberta, Cidadã e Comunitária, repleta de Ferramentas Livres (todas muito bem documentadas, é claro)!
Segue nossas principais conquistas de 2017!!

Foram organizados mais de 15 atividades sobre o uso de ferramentas livres para instrumentação física e produção de conhecimento aberto. Dentre elas oficinas de FreeCAD, programação em microcontroladores como Arduino e NodeMCU, além de oficinas sobre documentação. Este ano realizamos a II Hackatona do CTA, (IIH) um mutirão com objetivo de usar a força da colaboração para o desenvolvimento de projetos abertos e livres.

Colaboradores se preparam para calibrar 3 sensores de temperatura NTC. Foto por Bruno Barros.

Participação no Gathering for Open Science Hardware (GOSH2017), em Santiago/Chile, encontro global para fortalecer a prática e a comunidade de tecnologias abertas para a ciência. Foram 90 pessoas selecionadas de todos os continentes, com projetos sobre monitoramento ambiental, instrumentação científica, biologia molecular, arte e muitas intersecções!! A comunidade GOSH é ativa e mantém um fórum com constantes notícias, discussões e colaboração do movimento GOSH!

Colaboradora Marina expõem os projetos desenvolvidos pelo CTA na GOSH 2017.

Neste final de ano passamos a integrar o Grupo de Pesquisa de Open Intellectual Property da Universidade de Cambridge , bem como iniciamos parcerias com SEDETEC e Zenit para a busca de oficializar o uso livre de inovação gerada na universidade

Publicamos!! O artigo Desenvolvimento de tecnologia para ciência e educação fundamentado nos preceitos de liberdade do conhecimento: o caso do Centro de Tecnologia Acadêmica, sobre as práticas e metodologia do CTA, foi publicado na Liinc em Revista.

Colaborador Leonardo edita um circuito no KiCAD durante a IIH do CTA. Foto por Bruno Barros.

Nosso colaborador Guilherme Weihmann ganhou o Prêmio de Destaque no Salão de Ensino da UFRGS 2017 pelo seu trabalho realizado no CTA Jr. do Colégio de Aplicação da UFRGS!

Colaboradores do CTA comemoram o destaque! Da esquerda para direita, Guilherme, Matheus e Rafael.

Dois projetos do CTA, foram selecionados para a 3 Residência Hacker do RedBull Basement, evento que selecionou 5 projetos do Brasil para resolver problemas da cidade com tecnologias livres. O projeto Tecnologia Cidadã através das Estações Meteorológicas Modulares abordou o monitoramento ambiental através de ferramentas livres e de ciência cidadã, e o projeto Micro Aerogerador busca desenvolver uma a decentralização da produção de energia, com ferramentas livres, é claro!

EMM Residência Hacker, instalada no terraço do RedBull Station, em São Paulo.

Foi dado início aos trabalhos da Escola Itinerante de Tecnologia Cidadã Hacker, a EITCHA! , iniciativa composta por Jan Luc, Leonardo e Marina, que buscam incentivar, através de práticas de ensino, a emancipação tecnológica! Busca ensinar aos estudantes ciência aberta, segurança e vigilância na internet, emancipação tecnológica, uso de ferramentas livres, ciência cidadã e alfabetização tecnológica! Além de criar bastante recurso educacional (aberto) para que a ideia cresça e se espalhe!

Leonardo, Jan Luc e Marina comemoram efusivamente a alegria de viver!

Desejamos a todes boas festas, muitos descansos, e muitos Verdurascos!!

Lindos vegetais sendo preparados para um clássico Verdurasco do CTA. Foto por Bruno Barros.

E 2018?? Bora fazer junto!!!

Estação meteorológica modular: EMM na Residência Hacker!

Adicionado por Leonardo Sehn mais de 1 ano atrás

O projeto das Estações Meteorológicas Modulares está na Residência Hacker com a etapa Tecnologia Cidadã através de Estações Meteorológicas Modulares.

Veja como foi nossa primeira semana no evento e acompanhe nosso canal oficial de relatos da Residência Hacker no fórum.

Imagem abaixo não é Creative Commons

Residentes reunidos no primeiro dia de Residência Hacker. Imagem de Felipe Gabriel/ Red Bull Content Pool sob Copyright.

Estação Refletométrica GPS: Um sinal do céu

Adicionado por Cristthian Marafigo Arpino mais de 1 ano atrás

Dados sobre o monitoramento do nível das geleiras, oceanos, rios e represas "...a grande inovação é sua aplicação para o monitoramento do nível de água, algo que até então não tinha sido realizado com GPS no Brasil...”

  • "Criado em 1963 pelos Estados Unidos para guiar com mais precisão os seus aviões e navios de guerra, o Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global), mais conhecido como GPS, tem hoje uma infinidade de aplicações, além da simples localização de um ponto na superfície da Terra. Ele pode ser usado, por exemplo, para verificar o movimento do chão causado por terremotos e vulcões, acompanhar tsunamis, detectar quedas e desmoronamento de barragens, prédios e construções, e até no plantio e na colheita na agricultura e na análise da posição e estratégia de jogadores dentro de um campo de futebol."
[SILVEIRA, E. (2014). Um sinal do céu. Revista Unesp Ciência, São Paulo, v. 58, p. 26 - 29, nov 2014]

Micro Aerogerador: Residência Hacker!

Adicionado por Cristthian Marafigo Arpino mais de 1 ano atrás

Projetos do CTA são destaque nacional

Os projetos Micro Aerogerador (de Cristthian Marafigo Arpino e Alissom Claudino de Jesus) e Estação Meteorológica Modular (de Marina de Freitas, Leonardo Sehn e Jan Luc Tavares) foram selecionados para a terceira residência do Red Bull Basement. A residência acontecerá em São Paulo de julho a setembro e oportunizará o apoio de 5 especialistas, máquinas […]

SELECIONADOS DA 3ª RESIDÊNCIA DO RED BULL BASEMENT

Cristthian Marafigo Arpino e Alisson Claudino de Jesus (Porto Alegre/RS)
Projeto: Micro Aerogerador
Descrição: Trata-se de um sistema eletromecânico, cuja energia cinética do vento, ao atravessar a hélice de uma turbina eólica, é transformada em energia mecânica no eixo do rotor, que por sua vez é transformada em energia elétrica. Esta energia pode ser utilizada imediatamente ou armazenada em baterias.

Referência: Tecnologia - Red Bull Basement: conheça os selecionados para a 3ª residência - 19 de junho de 2017 por Red Bull Station

Suporte CTA: II Hackatona CTA - Incubadora de Sementes

Adicionado por Marina de Freitas mais de 1 ano atrás

II Hackatona CTA - Incubadora de Sementes

Nesse 20 de Maio, o Centro de Tecnologia Acadêmica (CTA) irá abrir as Portas para que a comunidade possa experienciar o desenvolvimento colaborativo de uma ferramenta livre! Durante o Portas Abertas será realizado II Hackatona CTA – Incubadora de Sementes!

A Hackatona CTA busca integrar pessoas com diferentes habilidades para desenvolver uma solução em comum. A edição deste ano propõe o desenvolvimento de uma Incubadora de Sementes, uma Germinadora de Câmara, como uma pequena estufa para estudo da germinação de plantas.

Inscrições gratuitas pelo formulário !

Dia 20 de Maio, das 9h00 às 17h00, na sala L110., Instituto de Física da UFRGS, Campus do Vale, Porto Alegre.

Mais informações no site :D

Quem pode Ajudar?

Qualquer ajuda será bem-vinda! Sério mesmo. Seja para programar, fazer circuitos elétricos e torrar os neurônios com problemas de desenvolvimento , seja para tocar violão, problematizar ou ajudar na cozinha. Além disso, vamos precisar pessoas para documentar o processo, então se há algum jornalista interior querendo se libertar - ou se ele já está liberto - pode vir contribuir conosco!

O que é uma Incubadora de Sementes?

Uma incubadora de sementes, também conhecida como germinadora de câmara ou estufa, é um sistema compacto capaz de controlar a temperatura, a umidade ambiente e a luminosidade incidente para controlar e estudar a germinação. Buscamos que esta seja de fácil replicação, com componentes acessíveis e de fácil uso, seguindo a definição de Hardware Aberto e Livre.

O que é uma Hackatona?

Hackatona é a versão brasileira da hackaton, uma Maratona de hackers. É o momento em que desenvolvedoras (es) de software, de hardware e outras(os) interessadas(os) se encontram para construir, de maneira colaborativa, um projeto.

O evento propõe que as(os) interessadas(os) concentrem suas atenções no projeto e, juntas(os), encontrem soluções para o desenvolvimento do projeto. Os desafios dessa Hackatona incluem desenvolvimento de software, aquisição de dados, desenho de peças, desenho de circuitos, impressão 3D, confecção de placas de circuito impresso, eletrônica, design e muito mais.

Por que uma Incubadora de Sementes é tão importante?

A germinação das sementes é um processo delicado e crucial para o desenvolvimento da planta. Para que não haja perdas no plantio, as(os) produtoras(es) devem ter informações sobre as especificações para germinação de cada semente, além das condições do seu solo, qualidade do armazenamento das sementes, etc. Muitas espécies precisam de condições específicas de temperatura, luminosidade e umidade, caso contrário não se desenvolvem. Por vezes, as más condições de armazenamento de um lote de sementes as danificam. Grandes produtores podem contratar laboratórios de análise para testar seu solo, sementes e adubo. Já as(os) pequenas(os) agricultoras(os) ficam dependentes de laboratórios do Estado que não suprem sua demanda. Além disso, as mudanças climáticas, poluição e desmatamento podem modificar as características climáticas de uma região, alterando assim a época do plantio. Da mesma forma, as condições nutritivas do solo mudam dependendo do lugar, da origem da água usada na irrigação, do adubo utilizado e do manejo do solo.

Por isso, temos o objetivo de desenvolver uma germinadora acessível, de fácil operação, que permita as agricultoras e agricultores testarem a germinação de suas próprias sementes, usando seu próprio solo e água no processo. Essa ferramenta permite que elas(es) próprias investiguem as condições que favorecem a germinação das suas sementes e usem essas informações para benefício da sua plantação. Ao desenvolver uma incubadora de sementes de baixo custo e fácil fabricação, incentivamos que os cidadãos comuns façam ciência - e não apenas usufruam dela. Outra vantagem de uma Incubadora de Sementes acessível é a capacidade de investigar a germinação de sementes não convencionais, como as sementes agroecológicas, crioulas, plantas nativas e as plantas alimentícias não convencionais (PANCS).

Gostou? Chega mais então!

Suporte CTA: CTA Promove Arduino Day 2017

Adicionado por Jan Luc Tavares mais de 1 ano atrás

No dia 01/14 celebramos o Arduino Day com a realização de mais um evento comemorativo.

As atividades ocorreram no Prédio 30 da PUCRS. Ao todo, foram oferecidas 37 atividades entre oficinas e palestras, além da mostra que ocorreu no hall do prédio 30. Para mais informações a respeito do cronograma, visite a página do evento.

Faça o download dos slides da oficina de Python + Arduino, da oficina de FreeCad e o material da Introdução ao Arduino.

Confira as súmulas e materiais usados nas oficinas na página do evento no site do CTA.

« Anterior 1 2 3 4 ... 7 Próximo »

Exportar para Atom