Encontro do dia 2 de Outubro de 2019

Added by Breno Rilho Lemos 12 months ago

Encontro do Grupo de Análise de dados abertos de ALICE.

Data: Sexta 16/08/19
Hora: 8h00
Local: CTA.

Pauta

  • Avaliação do progresso do grupo até o momento
  • Revisão da apresentação do projeto para a reunião geral do CTA, dia 10/10
  • Código em C para tentar replicar construção e fazer desenhos com R/ggplot2 (Lucas)
  • Próximos passos:
    • Visualização 3D:
      • Abordagem dos clusters do TPC para reconstrução analítica das trilhas;
      • Abordagem a partir das condições iniciais, incluindo decaimentos, efeitos relativísticos, campo magnético variável e outros efeitos não antes levados em conta ( A fast introduction to the tracking and to the Kalman filter );
    • Outros objetivos (??)

ALICE.odp - Apresentação de slides geral (3.4 MB)


Replies (2)

RE: Encontro do dia 2 de Outubro de 2019 - Added by Breno Rilho Lemos 12 months ago

ATA

  • Avaliação do progresso do grupo até o momento
    • Estamos em um bom ponto, partimos do zero e agora somos capazes de fazer gráficos
    • Devemos agora avançar para ir para o Blender
  • Questão: efeitos relativísticos
    • Temos um delta T diferente para cada partícula, mas a necessidade disso é não estarmos considerando o efeito relativístico
    • O momento registrado no arquivo é relativístico, não deveria haver necessidade de ter um delta T para cada partícula
    • A forma da curva é mais importante do que a evolução temporal delas
    • Considerar efeitos relativísticos: encontrar a velocidade de cada partícula
    • Colocar o efeito relativístico basta usar o fator de Lorentz (Pedro)
  • Questão: do campo magnético uniforme ou variável
    • Para o que estamos fazendo aqui, do ponto de vista pedagógico e visualização, não importa
    • Algo mais realista, deveríamos considerar as informações do campo magnético ao longo do tempo
    • Trabalhos futuros: se fosse adotar isso, usaríamos direto o AliRoot, pois já existem bibliotecas que consideram tudo, inclusive a passagem por parafusos de aço e outros materiais.
  • Discussão sobre quantidade de trilhas
    • Sugestão: montar primeiro evento do arquivo com aproximadamente 20 trilhas - e montar completo.
    • Pedro: misturar trilhas de vários eventos até completar uma determinada quantidade
    • Fazer algo misto, pegar um número fixo de quantidade de trilhas
    • Rafael: isso se chama estudo mix-event, que é a combinação de eventos
    • Mas perderíamos o potencial de ver um jato... (muitas partículas em uma direção só)
    • Tem tanto evento que podemos adotar somente um evento com um número legal de trilhas
  • Revisão da apresentação do projeto para a reunião geral do CTA, dia 10/10
    • A apresentação de slides (Libreoffice ODP) deve conter poucos slides e durar no máximo 15 minutos
  • Próximos passos:
  • Visualização 3D:
    • Adaptar programa 'sol-analitica.c' para selecionar um evento com uma baixo número de trilhas (entre 20 e 25), para reconstruí-lo completamente.
    • Em seguida, criar um script Python que guia o Blender, muito inspirado naquele do sistema solar (ex. do Pezzi)
    • Esse script python vai:
      • ler o arquivo (o mesmo arquivo gerado para o gnuplot) e fazer o desenho em 3D;
      • fazer a varredura em todas as trilhas de um evento;
      • fazer uma matriz de objetos, um vetor.
    • Fazer um script bash (do shell) que automatiza tudo: (1) execução dos programas em C++ do AliRoot, (2) chamada do programa em C e depois imediatamente (3) chamada do script Python que guia o Blender.
    • Em um arquivo texto, coloca exatamente os mesmos comandos que são dados manualmente no terminal
    • Esse script deve receber um monte de parâmetros e depois passar para os três passos do workflow
  • Funções para pesquisar nas bibliotecas do GitHub dos arquivos ESD:
    • isPrimary(): permite saber se a trilha é primária ou secundária
    • friendTrack(): permite associar duas trilhas (uma primária e outra secundária)
  • Miscelânea (sugestões e comentários)
    • Retirar arquivo .root do GitLab do grupo
  • Outros objetivos
    • Código em C para tentar replicar construção e fazer desenhos com R/ggplot2 (Lucas)
    • Pegar o sol-analitica.c, no branch Breno, e adaptá-lo para gerar dados
    • Tentar Plotly (ter uma certa independência do Blender)
    • Uma abordagem web para visualização de eventos do ALICE

Sugestão para associar tipo de partícula a uma cor - Added by Rafael Pezzi 12 months ago

Gostaria de fazer uma sugestão relacionada a identificação de partículas e seleção de cores das trilhas.

Saber usar o sistema de identificação de partículas é fundamental para a física - não é algo difícil pois já existem métodos no aliroot que combinam as informações dos detectores relevantes e estimam a probabilidade de cada particula ser de um certo tipo. Certamente isso é usado para determinar a massa das partículas nos arquivos .root que estamos usando.

Minha sugestão visa em criar uma maneira direta de identificar as partículas nos gráficos através de cores. As cores podem ser escolhidas a partir da sua massa, fazendo a associação de um valor de massa em um valor de cor.

Essa tarefa pode ser dividida em duas partes.

1. Colorir histograma de massas das partículas dos arquivos .root. (é importante para termos uma referência visual para associar partículas a certas cores). 2.A segunda etapa consiste em implementar a paleta de cores escolhida para a representação da trajetória nos gráficos gerados.

Colorir os histogramas das massas das partículas encontradas nos arquivos .root vai dar uma ideia do que está saindo, na média, das colisões. Não precisa ser separado por evento. Em seguida atribuir cores para os elementos desse histograma. Algo assim:

Créditos: imagem adaptada de https://www.datamentor.io/r-programming/color/

Deve-se escolher uma paleta de cores para converter o valor de massa em cor. Existem diversas opções, vide link abaixo.
https://matplotlib.org/1.3.1/mpl_examples/color/colormaps_reference_04.hires.png

(1-2/2)